O artista Vermelho bateu um papo com a turma da Escola de Comunicação Comunitária no segundo encontro insPIRAÇÃO sobre arte, grafite e comunicação

Lucas Rodrigues e Karol Coelho

O mês de julho começou com um encontro entre as turmas de Jornalismo & Escrita Criativa, Fotografia & Vídeo e Criação Gráfica com o grafiteiro Vermelho, artista plástico e cenógrafo, no dia 1º.

Batizando de [insPIRAÇÃO], a Escola de Notícias promove em cada temporada da Escola de Comunicação o encontro entre profissionais reconhecidos do mercado com os jovens participantes. Caco Barcellos (TV Globo), Tatiana Vasconcellos (Band News FM), Mara Mourão (Cineasta) e Di Moretti (Diretor e roteirista) foram alguns dos convidados a passarem pelo encontro. O último contou com a presença da jornalista e apresentadora Maria Cândida.

Vermelho Steam é um reconhecido grafiteiro, ilustrador, cenógrafo e escultor, que grafita a sua arte nos muros em frente a algumas das maiores operadoras de telefonia, internet e televisão por assinatura, enquanto tenta cancelar alguns dos seus próprios serviços. Ele foi convidado para participar do vídeo “A Arte da Espera”, do Reclame Aqui, que ganhou um prêmio no Festival de Cannes.

Veja o trabalho do Vermelho clicando aqui e acompanhe sua página no Facebook aqui.

Vermelho compartilhou que em sua trajetória, antes dos murais e esculturas, trabalhou pintando shapes de skates e montando vitrines “eu montava vitrines, cheguei a comprar peruca pra colocar em manequim” disse. Para ele a rua é um espaço importante para a difusão do conhecimento. “Uma coisinha que você deixa de fazer talvez tenha uma consequência muito grande, o máximo de pessoas que você conseguir atingir é o melhor. Isso se aprende muito com o grafite porque é uma arte na rua, está atingindo todo mundo, ninguém precisa entrar em uma galeria pra ver”.

Cativados, a turma comentou sobre o que gostaram nessa roda de conversa. Daniele Araujo, 18, da turma de Criação Gráfica, já havia ouvido falar sobre o Vermelho pela educadora Mariana Watanabe. “A conversa foi muito boa, principalmente pra mim que quero fazer artes visuais. Ver ele fazer isso é uma motivação.”

11705208_1028298677182492_2049973088809506468_n

Para a Ellen Almeida, 18, da turma de Jornalismo & Escrita Criativa é interessante ter contato com uma pessoa que parece estar tão distante. “Ele tem uma história de vida tão legal, tão parecida com a nossa, em certos pontos, que da uma margem pra gente sonhar”, afirma.

O Bluno Souza, 17, também da turma de Jornalismo & Escrita Criativa, disse que a conversa ajudou a quebrar pré-conceitos sobre grafiteiros e de gente que trabalha na rua. “Geralmente a gente acha que é depredação do patrimônio e na verdade não é aquilo, eles embelezam a cidade e fazem o dia ficar mais alegre”, diz.

Rafael Afonso, 18, também da turma de Criação Gráfica, se atentou ao estilo do artista. “O Vermelho tenta sair do padrão e fazer uma coisa autoral, ele não tem muitos grafiteiros como referência. Ele busca suas inspirações em coisas velhas e rústicas, as cores que ele usa geralmente são bem neutras, uma coisa mais sombria”, analisou.

Nós, Escola de Notícias, agradecemos imensamente ao carinho, cuidado e atenção que Vermelho teve com nosso convite. Foi uma tarde inspiradora, com certeza.

Assista “A Arte da Espera”.