Encontro que marcou encerramento do Módulo II da Escola de Comunicação teve a presença de jornalistas, pais e muito trabalho coletivo.

Foram seis semanas seguidas em que a salas de aula foram as ruas e os bairros que compõem o distrito do Campo Limpo. Nelas, tudo que merecia ser aprendido tinha nome, rosto e no recebeu em suas casas para uma tarde de boas conversas, bons cafés e atividades em que a nossa criatividade era desafiada. E assim foi.

No Módulo II da Escola de Comunicação Comunitária do Escola de Notícias, iniciativa apoiada pelo Programa VAI, e em parceria com o Espaço Cultural CITA, da Trupe Artemanha, os participantes foram recebidos, semanalmente, em uma das iniciativas do bairro para entender como ela funcionava, sua história, as oportunidades que eles geravam. Em uma aula aberta, debaixo das árvores, no café tarde, entre os livros, nossos anfitriões nos contaram como são as coisas, quando quem as faz, conta.

E assim passamos pela Brechoteca, Sarau do Binho, Projeto Arrastão, Ateliê PopulArte, Parque Santo Dias, além de receber o Youthful Cities, Its Noon e o Fuzzil Deeanto, Auxiliar de Juventude da Subprefeitura do Campo Limpo para uma conversa sobre políticas públicas de juventude para a zona sul de São Paulo.

No sábado, 21, as turmas de Jornalismo & Rádio, facilitada por Unilson Mangini Jr, e Vídeo & Fotografia, por Camila Andrade e Ana Vastag, promoveram a Sessão Comunitária, encontro que reúne todas as pessoas que conhecemos ao longo do Módulo II, e apresenta as produções em rádio e vídeo. Desenhado, produzido e apresentado por eles, essa Sessão Comunitária recebeu os jornalistas Diego Viñas, do portal Varzepédia e colunista do Metrô News e Rádio Jovem Pan AM, e Maria Teresa Cruz, repórter de cidade da Rádio Band News FM.

22_09

Mediado pela própria turma, que conduziu todo o encontro, a roda de conversa com Diego e Maria Teresa foi sobre a profissão, mercado de trabalho, oportunidades, e sobre o que as ruas e os bairros nos ensinam no dia a dia. O grupo também apresentou uma rádionovela, curtas-metragens, além de um giro de notícias, e exercícios de formação do olhar e ampliação de repertório feitos ao longo do módulo.

Para fazer toda essa brincadeira acontecer, muito trabalho. A divisão de todas as tarefas foi entre as duas oficinas. Cada qual com uma parte: alimentação, decoração, infraestrutura. Ao longo do sábado, até um belíssimo banho, uma das salas do CITA ganhou. Tudo para deixar o outro tudo prontinho. E ficou. Foi bonito.

E divertido, que é o que realmente importa.