Novos monitores culturais dão início ao programa de formação de 2015 na Escola de Notícias 

Parece que foi ontem, mas a Escola de Notícias já está na sua terceira geração de jovens monitores culturais. Para quem não conhece, a Monitoria Cultural Educativa é um programa educativo da EDN que dá oportunidade aos jovens, ex-alunos da temporada anterior da Escola de Comunicação a atuarem na cofacilitação e produção da temporada seguinte. Para isso, eles recebem uma formação pessoal e também uma ajuda de custo financeira.

O projeto fortalece a estratégia da Escola de Notícias de contribuir no fortalecimento de projetos de vida relacionados à comunicação e educação, impulsionando economicamente jovens moradores para tornarem-se agentes de transformação local.

“A Monitoria existe desde a estruturação institucional da EDN, em 2013, e também é sonho antigo. Ela surge para ativar economicamente esses jovens da região, convidando-os a, enquanto não entram na faculdade, ou tem seus projetos de vida muito claros ainda, atuar dentro da Escola de Notícias ajudando a formar novas gerações da Escola de Comunicação” conta Tony Marlon, responsável por Projetos e Parcerias da Escola de Notícias.

Para entrar na monitoria

Todo começo de ano, ex-alunos da Escola de Comunicação da edição anterior tem a possibilidade de se inscreverem em um edital aberto pela Escola de Notícias. Ele busca selecionar um jovem de cada oficina para atuar como suporte direto do educador da EComCom do ano atual, além de ajudar em outras atividades institucionais. Os jovens monitores recebem um plano de formação, além de ajuda de custo mensal que os ajuda a pagar cursinhos, oficinas, faculdade, etc.

O processo de seleção da monitoria de 2015 teve um edital para que todos os jovens interessados de 2014 pudessem se inscrever por meio de um formulário, com perguntas que vão desde proximidade da pessoa com o CITA até planos futuros e perfil. “Além disso, eles tiveram que se cadastrar e montar um perfil na plataforma SP Cultura. Após o período de inscrições, a equipe da EComCom se reuniu para discutir os perfis e avaliar quem havia feito todos os passos e tinha potencial para as três vagas”, disse Camila Andrade Vaz, Coordenadora Técnica de projetos da Escola de Notícias.

As novidades de 2015

Em 2015, ao contrário dos outros anos, prioridade é que os monitores atuem na Escola de Comunicação, com aproximadamente 20 horas semanais. O tempo deles é dividido em suporte para educadores, formação que eles recebem da Escola de Notícias e atuação no Espaço CITA.

“Uma das grandes diferenças em 2015 é que, além de atuar na EDN, eles passam agora a atuar também durante um período por semana dentro do Espaço CITA. Nosso convite é para que ele entenda, na prática, como funciona todo o trabalho de mobilização local, de atuação no território, de fortalecimento das atividades culturais”, detalha Tony.

O exercício de estar do outro lado

Os novos monitores acabaram de entrar e o momento é de tatear e reconhecer tudo. Conversamos com os três novos monitores para saber como tem sido esse início do programa. “Tem sido muito bom poder entender a metodologia aplicada pelos educadores nas atividades e ver isso refletindo de maneira diferente em um grupo diferente do qual fazia parte no ano passado”, disse Lucas Silva.

“A todo o momento tento passar pelos pequenos obstáculos que vão surgindo no decorrer do processo, mas estou curtindo bastante isso. A equipe é bastante acolhedora e me sinto muito bem com eles”, contou Sheila Lima.

Já Thainá Souza destacou o lado transformador. “Gosto bastante de como a Escola de Notícias é sempre inusitada para quem participa dos processos e como isso nos transforma, nos comove e nos move. É engraçado e curioso estar no outro lado da coisa e passar a enxergar a EDN de outra forma. Apesar de ainda estar no começo, tenho uma visão mais ampla dos caminhos da EComCom e da equipe em geral. Poder produzir as oficinas e ajudar um pouco neste processo modificador, que também aconteceu comigo, é gratificante”, disse.

Foto: Petterson André