Trabalho acadêmico discute os rumos do jornalismo comercial e o surgimento de novos modelos de negócio na área; Escola de Notícias foi case escolhido por estudante. 

O primeiro contato de Regiane Folter com o trabalho do Escola de Notícias foi em maio de 2012. Na época, a então estudante de jornalismo da UNESP Bauru, produzia uma matéria sobre jornalismo como ferramenta de transformação social. A matéria foi ao ar, Regiane continuou acompanhando o trabalho do EDN e o que era para ser apenas uma reportagem tornou-se o seu Trabalho de Conclusão de Curso, o famoso e, às vezes temido, TCC.

Na última quinta-feira, 13, Regiane esteve em uma das dezenas de salas da UNESP para apresentar e defender, não apenas o seu último trabalho, mas também uma crença pessoal: o jornalismo voltado para a construção e fortalecimento da cidadania.

Com o título “crise do modelo do jornalismo comercial e emergência do jornalismo cidadão”, Regiane, sob orientação do professor Doutor Juarez Tadeu de Paula Xavier, passou os últimos meses se dedicando a entender o atual momento não apenas do modelo de negócios do jornalismo atual, como também a sua utilidade pública, sua função social. Como exemplo, buscou o Escola de Notícias como objeto de estudo. Essa foi a primeira vez em que fomos “objeto de estudo”.
Ao longo de 2013, Regiane realizou entrevistas com Karol Coelho e Tony Marlon, além de conversar com participantes da Escola de Comunicação Comunitária, iniciativa que conecta escolas públicas e particulares para estudar comunicação pelo viés cultural.  O resultado do trabalho de Regiane pode ser conferido em quase 100 páginas de estudo, que traça um panorama muito interessante e rico do jornalismo e da cidadania no Brasil.

Nós, Escola de Notícias, queremos agradecer e parabenizar a mais nova comunicadora do Brasil não apenas pelo lindo e cuidadoso trabalho, mas também por acreditar que a comunicação pode, sim, inspirar movimentos de mudança no mundo.

Parabéns, Regiane.
Eternamente em nossos corações.