Conversa entre pais e educadores da região da Zona Sul antecede a Sessão Comunitária 3.0

Por Eric Silva, Kamila Modesto e Karol Oliveira

Aprender e compartilhar aprendizados são ações poderosas. É nesta troca que produzimos o conhecimento necessário para entender, refletir, agir sobre o mundo e gerar transformações. Conhecimento se constrói na interação. Nós aprendemos e construímos saberes quando interagimos com o meio e nas relações que estabelecemos com as pessoas.

Pensando nisso, e entendendo como conversas e trocas podem ser revolucionárias, sendo o início das mudanças que queremos para o mundo e quanto à educação tem papel fundamental para isto, convidamos as famílias dos jovens participantes do ciclo I da ECOMCOM e seus professores, que foram indicados como “Pontos de Luz” em suas jornadas de aprendizagem por serem fontes de inspiração, para uma roda de conversa cujo tema foi “Comunidades de Aprendizagem”.

Foto: Karol Oliveira

Foto: Karol Oliveira

Para iniciar o bate papo convidamos a Solange de Amorim, diretora da EMEF Dr. Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, por nos ser também uma professora ponto de luz por sua luta na construção de uma escola democrática e aberta para a comunidade.

Solange nos contou sobre o processo de troca do nome da escola que aconteceu de forma democrática envolvendo toda a comunidade, nos trouxe como tem sido este caminho de abertura das portas da escola para além dos professores e alunos, e o quanto é importante estabelecer esta conexão, tornando a comunidade parte dos processos de escolha, em diálogo sempre aberto.

Foto: Karol Oliveira

Foto: Karol Oliveira

Em meio a conversa surgiram questionamentos como: “Quem pode fazer parte da comunidade escolar?”, “Como estabelecer uma relação entre escola, família e moradores do entorno?”, “Como a escola pode transcender a educação para fora de seus muros?”, “Quem são as pessoas que devem decidir sobre como a escola deve ser?”, “A quem a escola pertence?”.

Educadores compartilharam com o grupo suas experiências, aflições e desafios, enquanto mães e pais relataram como se relacionam com as escolas de seus filhos e quais dificuldades encontram para estabelecer um diálogo com estas. Queremos ser ponte, para que esse diálogo aconteça. Promover estes encontros é conectar pessoas e ideias para que ações transformadoras nasçam.